sexta-feira, 25 de março de 2011

Lupa e as guloseimas ( Rua Oriente - 1984)

Momento de descontração do jovem trabalhador assalariado, entre um pacote de Kri ( esquerda) e potes experimentais ( a direita)
Égon brinca de Tiradentes em um cordão de chup-chups sob o olhar atento de Cury ( esquerda)

A vida é doce: Lupa com seu fiel Marlboro, Átila, Malu e Nica
E quase dez anos depois da foto histórica anterior, + ou - 1984, eis que o nosso intrépido e workaholic Lupércio (Lupa) começa a trabalhar na Rua Oriente, mesma calçada do Turquinho, um pouco mais a frente.
A bomboniere era sui generis: vendia arroz integral, própolis, etc, mas também arrozinho doce, teta de nega, biscoitos amanteigados e salgadinhos isoporizados. Loja eclética praca. No livro a sair há depoimentos de muita gente que frequentava a tal loja e até ficava vagabundeando por lá ( como vcs podem ver acima). As fotos estão em péssimo estado, mas dá pra se ter uma idéia do local, mais um qg da nossa turma, embora por pouco tempo ( o Lupa ficou um ano lá).

quarta-feira, 23 de março de 2011

Rua Oriente (1975) ... e o "Turquinho" ao fundo

Há uns dias atrás a turma começou a "desencavar" da memória, coisas e causos da Vila Barcelona da nossa infância e adolescência. No meio das escavações, surgiu o nome "Turquinho" e logo a caixa entupiu de comentários. Explicando: Turquinho foi um dos mais famosos "armarinhos" do nosso bairro, bem ao lado da escola ( "28 de Julho"). Eu, pra variar, lembrei de um monte de detalhes obscuros e esqueci dos mais óbvios, como o endereço certo da tal loja. Outros lembraram de outros "turquinhos" no bairro, como por exemplo, um do mercado municipal, mas de outro ramo. E lembrou-se também que o próprio Turquinho pioneiro mudou de endereço em um certo momento. Confusões e esclarecimentos a parte, encontrei esta foto ( pertencente ao Pro Memoria de Sao Caetano) que dá um bom panorama no "pedaço" a que nos referimos. A clássica imagem originalmente preto e branca mostra a Rua Oriente em 1975, com pedestres atravessando à frente de um guardinha (ou algo parecido). Na esquerda vemos o saudoso "EEPG 28 de Julho" com suas árvores frondosas e seu muro típico. E lá na direita, na esquina à frente do Polara estacionado, eis o Turquinho, em imóvel assobradado e porta de correr. Era lá que comprávamos "Silva Pen", borrachas verdes e até aqueles indefectíveis uniformes brancos com mapa bordado no bolso.

terça-feira, 15 de março de 2011

Entupa 1 - 16/02/2008 (Parece que foi ontem!)

Léo, Luciana, Carlão e Malu
Zequinha, João Colli e Carlão

Sachetão, Magrão, João Zanforim e Lupa

João Colli, Carlão, Lu, Zequinha e Wirts
Ivan, captando tudo
Átila e Malu
Na pista: Lupa, Silvana, Átila, Rose e Gan
A nova turma
Dança do Siri (!?!!) com João e Léo
Ferveção: Lupa, Rose, Desirée e Átila
Égon e Bete
A nova turma em reunião para a construção do novo ponto de táxi
Fabinho, o "rei das pistas"
Seu João e Cris
Malu e Helô
 As fotos acima falam tudo. Foi um encontro antológico ( e já histórico). O tempo passa, e entre sustos e reencontros sobrevivemos para fazer mais 3 "ENTUPA". Cada vez com mais gente e cada vez com mais sustos! haja coração...


sábado, 12 de março de 2011

Bodinho.

Consegui ficar um bom tempo conversando com o Marcião, pela Internet.

Ele está bem, trabalhando de noite, e louco para visitar a terra tupiniquim. 

Para tirar a preocupação de todos, a área onde moram - sul do Japão - não foi atingida pelo terremoto dessa sexta-feira, dia 11. Mas sentiram o tremor.

A Claudeth, esposa dele, deixou um depoimento no Facebook:




Vendo as imagens pela TV e internet, realmente as imagens são assustadoras e devastadoras, como estamos longe do epicentro não estamos mais sentindo os tremores...mas segundo informações de uma prima que mora em Saitama-ken os tremores continuam, é muito triste ver tudo isso, estar tão perto e não poder fazer nada, ficando de mãos atadas, vendo o Japão todo em estado de alerta, a única ccoisa a fazer é manter informada, tranquilizando os familiares e amigos que estão no Brasil, mantermos calma, pois o desespero só vai agravar a situação....e orar a Deus para que a tragédia pare por aqui e conforte as pessoas com suas perdas, principalmente com as perdas dos familiares, pq as materiais de nada nos valem diante desses acontecimentos...

A toda hora vemos na TV que o Japão é um país preparado em situações de terremoto e tsunami, mas quando a situção é dessa enormidade, não tem muito a fazer...a não ser socorrer as pessoas e esperar....pois tudo é imprevisível, por mais que se tenham estruturas não podemos fazer nada contra a natureza pq um tsunami chega de repente levando tudo o que se encontra pela frente.....não tento nada a fazer....a não ser tentar ¨fugir¨


Minha prima acabou de me informar que deu tremor forte agora em Saitama-ken que fica nas proximidades de Tokyo...

...os trens estão parados,o transito congestionado...para quem está mais próximo do epicentro, nada podem fazer a não ser esperar..
 

Estamos no estado de Aichi-ken próximo a Nagoya....

Agora o que nos resta a fazer...é rezar e ¨torcer¨ para que cessem os tremores e os tsunamis....

Obrigada a todos a demonstração de carinho e preocupação...manterei contato através do facebook, orkut e e-mails...



Marcio e Claudeth, estamos todos aliviados por estarem bem aí no Japão. Todas as vezes que chega qualquer notícia referente ao Japão, imediatamente lembramos de vocês. E nos encontros da turma, também falamos de vocês.

Na conversa que tive com o Marcio, ele se declarou antissocial. Não tem problema, Bodinho. A gente te conserta quando vier tomar café com bolo de banana da D. Silvia.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Uma foto emblemática: Rancho Ranieri - dezembro de 1982



Rancho Ranieri ( Itapecerica da Serra/ 1982) - ( Acervo Paulo Sacheta) - Talvez a foto com o maior número de integrantes da Turma do Ponto: de cima pra baixo, da esquerda pára a direita: lá em cima - Maria Paula, Paulo Sacheta, Carla, Fernando Opick, Maurício "Maguila", Eduardo Barrionovo, Zequinha, Márcio Japa e Rica; uma fileira abaixo-  Malu, Simone Bizagio ( Nica), Regiane, Gerson "Penal" (de boné branco), Helô, Adri, Diva e ?; terceira fileira-  alguém escondido atrás do Égon, Francisco Lammenda (Fran), Denise Orlandi, Lúcia, ?,  João Alfredo Zanforim ( sem camisa, de boné), Regina, Marcinha e ?; fileira de frente nos degraus - Égon, Paula Mineira (de óculos escuros), Ivan, Celiane, Quequé e Fernanda. fora dos degraus- Jéfferson (de lado), Marcos Sacheta, Celso ( irmão da Vânia), Lupércio Pulini (Lupa) e ? (conhecido no 28, mas esqueci seu nome). ( Clique na foto para ver seu tamanho original).
   Esta foto acima é emblemática: captura não só um passeio tradicional da "E.E.P.G 28 de Julho" de final de ano, mas também o gérmen de uma nova turma. Esses passeios ao Rancho, somados aos bailes da época e os contatos frequentes do Bairro Barcelona deram o pontapé para a formação de uma nova turma, que logo fincou bandeira na esquina da Rua Oriente com a Rua Flórida, bem em frente ao muro do "28 de Julho", em um certo ponto de táxi. De 1982 até a virada da década de 90, a "Turma do Ponto" cresceu, aconteceu e deixou como legado uma infinidade de aventuras e histórias que aos poucos, serão contadas aqui.
Só como curiosidade: Das mais de trinta pessoas fotografadas acima, vinte e tantas frequentaram em algum momento a Turma do Ponto.

quarta-feira, 9 de março de 2011

Haboglabotribin'

A Gente era feliz e...sabia

Turma,
Finalmente fincamos bandeira na web. Eis nossa página! e pra começar, só uma explicação: a ilustração que adorna o blog se refere à capa do livro digital "A Gente Era Feliz e ..Sabia", que muito em breve sairá em papel ( e que tá ficando mais longo que a Barsa!!). O belo desenho é obra coletiva do Toguettelmann Studio ( Lu/Carlão/Marqueta/Lorena/Luna/Lara). A partir de agora, fotos, histórias e escavações da Turma do Ponto, da Barcela, do 28, do Idalina, dos bailões dos anos 80, etc etc, poderão ser postadas aqui. E todos aqueles comentários, que atravancam nossa caixa de e-mail, poderão ficar aqui, ad eternum, para apreciação contínua. Aguardem surpresas... mas cuidado com o coração, ein?